RANKING DE REFORÇOS: VEJA COMO FORAM OS JOGADORES QUE O CORINTHIANS CONTRATOU EM 2017

Por Agnaldo Rios 10/12/2017 - 12:05 hs
Foto: Folha de São Paulo

Foram nove os reforços que ajudaram o Corinthians a ser campeão paulista e brasileiro em 2017. Uns com maior participação, outros com menos.

 

A lista exclui dois jogadores: Luidy, que chegou do CRB e que foi emprestado ao Figueirense sem estrear; e Clayton, atacante que foi envolvido em troca com Marlone e ficou no clube entre março e agosto. Depois de 14 jogos e dois gols, voltou ao Atlético-MG.

Veja abaixo status e números de cada reforço do Corinthians em 2017:

Jô (64 jogos, 25 gols)

Cercado de desconfiança no início da temporada, o centroavante teve papel determinante para o Timão conquistar dois títulos. Voltou a jogar em alto nível e ainda terminou o ano como artilheiro do Brasileirão (18 gols). Fez 64 jogos (61 como titular).

Gabriel (64 jogos, 2 gols)

Abraçado pela Fiel, o ex-palmeirense deu nova energia ao Timão e virou um dos líderes do time. Corintiano de infância, tornou-se um reflexo da torcida em campo (o que também lhe causou uma suspensão por gesto obsceno contra o São Paulo). Já é ídolo.

Pablo (51 jogos, 2 gols)

Pouco conhecido no Brasil, veio por empréstimo do Bordeaux, da França, rapidamente se firmou e formou dupla perfeita com Balbuena. O ano, porém, acabou mal: sem acordo de renovação, foi afastado pela diretoria e perdeu a festa do título.

Jadson (48 jogos, 10 gols)

Contratação mais badalada do ano, chegou com o histórico do hexa de 2015, mas dois anos mais velho e vindo da China. Vital no Paulistão e no primeiro turno, teve queda de rendimento e perdeu a vaga no time. Depois, saiu do banco para decidir. Foi titular em 43 de seus 48 jogos.

Clayson (29 jogos, 4 gols)

Último a chegar (foi a única contratação após o título paulista), o jogador foi importantíssimo no Brasileirão, quando saiu do banco para marcar quatro gols decisivos. Terminou o ano como titular e com margem de crescimento para 2018. Somou 29 partidas (12 como titular).

Paulo Roberto (16 jogos)

Muito questionado quando foi contratado, mostrou bom futebol em todas as chances que teve e mudou sua imagem. Quando substituiu Fagner ou Gabriel, foi muito bem. Principalmente contra o Grêmio, em Porto Alegre, quando fez a jogada do gol de Jadson.

Kazim (30 jogos, 3 gols)

Pela ótima fase de Jô, teve poucas chances. E, quando jogou, não empolgou. Mesmo assim, foi importante no Brasileirão, já que fez o gol da vitória por 1 a 0 contra o Avaí. Carismático, é querido pelo grupo e por parte da torcida.

Fellipe Bastos (20 jogos)

Chegou com status de titular, mas logo perdeu a vaga para o jovem Maycon. Após dois anos nos Emirados Árabes, sentiu a volta para o futebol brasileiro e não rendeu. Muito querido no grupo, exerceu papel de liderança mesmo sem espaço em campo. Foi titular só nove vezes.

Reportagem G1